Diário de um ano ruim

3

Lembro-me que no começo da minha faculdade, já faz um certo tempo, um professor pediu como avaliação do curso a escrita de um ensaio. Na época, estava mesmerizado pelo rigor da pesquisa acadêmica, logo um ensaio não me parecia algo assim tão relevante. Que ingenuidade… Bem, hoje não vivo mais tão encantado com a “seriedade” acadêmica e por isso que fiquei tão encantado com o novo livro de J. M. Coetzee, Diário de um ano ruim. O escritor sul-africano certamente é um dos meus escritores contemporâneos favoritos, afinal é dono de uma narrativa muito cativante. O grande interesse de seu novo livro, no entanto, não se limita a isso. Em Diário, o autor radicaliza um procedimento que já havia sido utilizado em alguns de seus livros anteriores: unir a reflexão ensaística com a literatura. Para tanto, o escritor divide seu texto em três partes, três discursos simultâneos pelas páginas do livro. Na primeira estão as opiniões que formarão um livro de um velho escritor. Abaixo (literalmente abaixo, as páginas do livro estão divididas em três partes) esse mesmo escritor vai narrando seu encontro com uma bela moça filipina, a qual acaba por virar a digitadora de seus textos. Finalmente, há a narrativa da própria moça. As três partes vão se conectando a todo o momento, construindo uma bela reflexão sobre a velhice e o papel das idéias em um mundo que não mais parece se importar com elas. Com isso, Coetzee consegue realizar um experimento estilístico bastante interessante sem abandonar a essência da literatura, o ato de narrar uma história. E não dá para olhar para um livro como esse sem pensar, com uma certa tristeza, como os horizontes da reflexão acadêmica parecem cada vez mais capazes de sufocar qualquer chance de pensamento.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

3 Comments to “Diário de um ano ruim”

  1. IcaroReverso disse:

    Bacana. Um bom escritor costuma ser um bom ensaísta, contribuir com idéias, ou até mesmo criar algumas. Já os acadêmicos de hoje, bem, fazem aquele esquema de conhecimento cumulativo, mas é um acúmulo de jazigos… força ao ensaio!

  2. ALEPH DAVIS disse:

    Atualiza, querido…

  3. Leandro disse:

    Atendendo aos pedidos…

Leave a Reply

*

*

Notifique-me de novos comentários via e-mail. Você também pode se inscrever sem comentar.